242003fev

A Tese de doutorado em Psiquiatria do Dr. Moacyr Alexandro Rosa apresentada na Universidade de São Paulo (USP), em 2003, comparou a eficácia da EMTr (Estimulação Magnética Transcraniana repetitiva) com a ECT (Eletroconvulsoterapia).

O trabalho traz uma extensa revisão das técnicas EMTr e ECT, suas indicações, contra-indicações e efeitos colaterais. Trinta e cinco pacientes com Depressão Maior unipolar refratária, sem sintomas psicóticos, participaram do estudo, que revelou eficácia equivalente entre os dois tratamentos.

“Estimulação magnética transcraniana de repetição: comparação da eficácia com a eletroconvulsoterapia” (Repetitive transcranial magnetic stimulation: comparison of efficacy with electroconvulsive therapy).

Resumo:

Os estudos publicados nos últimos anos sobre a utilização da estimulação magnética transcraniana de repetição (EMTr) têm sugerido significativas ações antidepressivas. Neste trabalho foi realizado um estudo comparativo da EMTr com a eletroconvulsoterapia (ECT) que é um método consagrado para o tratamento de transtornos depressivos.

Foi feita, em primeiro lugar, uma extensa revisão a respeito destes dois métodos de tratamento não medicamentoso, expondo a sua história, a sua eficácia, as principais indicações, contraindicações e efeitos colaterais, além dos possíveis mecanismos de ação, que ainda não estão completamente esclarecidos.

A seguir foi realizado um ensaio clínico controlado, randomizado, simples-cego, comparando a eficácia de ambos para o tratamento da Depressão Maior unipolar refratária, sem sintomas psicóticos, com indicação de ECT. Também foi realizada uma avaliação dos efeitos cognitivos, especialmente da memória.

Trinta e cinco pacientes foram incluídos. A eletroconvulsoterapia foi realizada com indução anestésica geral e relaxamento muscular. Foram feitas aplicações na posição unilateral direita com carga 4,5 vezes o limiar convulsígeno. A EMTr foi aplicada no córtex pré-frontal dorso-lateral esquerdo com intensidade de 100% do limiar motor.

Os pacientes receberam 20 sessões (cinco dias por semana por quatro semanas), com 25 séries de estimulação por dia (com frequência de 10 Hz por 10 segundos, com intervalos de 20 segundos). As escalas de avaliação foram aplicadas nos tempos basal, após duas semanas de tratamento e após quatro semanas de tratamento.

Ambos os tratamentos tiveram eficácia equivalente, com uma taxa de redução média dos escores na escala de Hamilton para depressão de 42 %, uma resposta clínica de 46 % e uma taxa de remissão de 14%. A EMTr apresentou um perfil mais benigno de efeitos colaterais (cefaleia em 1 %).

A ECT resultou em cefaleia (em 20 %) e náuseas (em 10%). Não houve diferença nos efeitos cognitivos entre os dois tratamentos, tendo ambos se mostrado bastante benignos.

Este estudo é uma contribuição para a crescente literatura a respeito do assunto e sugere um efeito antidepressivo da EMTr, comparável ao da ECT em pacientes com depressão maior unipolar sem sintomas psicóticos

“Estimulação magnética transcraniana de repetição: comparação da eficácia com a eletroconvulsoterapia” (Repetitive transcranial magnetic stimulation: comparison of efficacy with electroconvulsive therapy), USP, 2003.

Saiba mais sobre ECT e EMTr!