72017abr
Depressão: a doença que afeta o humor

A depressão é o transtorno psiquiátrico mais predominante ao longo da vida (até 27%), e que acomete pessoas de todas as idades: crianças, jovens, adultos e idosos. Segundo a Organização Mundial de Saúde – OMS, é uma das principais causas de invalidez no mundo, afetando cerca de 350 milhões de pessoas. Com o objetivo de alertar a população, reduzir o preconceito, fazer com que mais pessoas conversem a respeito e busquem ajuda, a OMS iniciou uma campanha chamada “Depressão: Vamos Conversar”, que será lembrada no Dia Mundial da Saúde, em sete de Abril.

Dentro desse contexto, o humor é uma das dimensões mais conhecida do psiquismo, mas também a mais difícil de ser definida. Ele se caracteriza por um estado afetivo que permeia o comportamento e a eficiência no modo do indivíduo reagir ao ambiente, às pessoas e aos acontecimentos, com atitudes imediatas frente a diferentes acontecimentos, e que podem manifestar alegria, tristeza ou indiferença.

Falando especificamente de tristeza, é algo que faz parte da vida, todos a sentirão em algum momento. Mas, dependendo da intensidade e frequência, pode ser um dos sintomas da depressão, assim como outros não menos importantes, como a perda do apetite, perda de iniciativa, apatia, desanimo, perda do interesse sexual, incapacidade para trabalhar, desejo de morrer, pessimismo, insônia, sentimento de culpa, baixa autoestima, falta de prazer, alteração da atenção e concentração, cansaço, irritabilidade etc. Além destes, outros sinais também podem ser reveladores, como aparência descuidada, barba por fazer, cabelos em desalinho ou penteados parcialmente, cabeça baixa, lentidão psicomotora e etc.

Mas para se chegar a um diagnóstico preciso de depressão, é necessário que haja mais do que tristeza, ela tem que ser prolongada o suficiente para que se conclua que, de fato, aquela pessoa não consegue reagir sozinha.

Depressão e suas classificações

A depressão é uma doença classificada dentro dos transtornos do humor, os chamados Transtornos Depressivos. Uma primeira subdivisão categoriza os Transtornos Depressivos em Bipolares e Unipolares. Os Bipolares são os caracterizados pela ocorrência prévia ou não de episódio maníaco ou hipomaníaco, e os Unipolares pela não ocorrência desses episódios. De qualquer modo, as manifestações de um e de outro são bem semelhantes.

Existem outros tipos de classificação, como por exemplo, por frequência e intensidade: indivíduos que apresentam mais de um episódio, Transtorno Depressivo Recorrente; com sintomas moderados e graves, Depressão Maior; que apresentam sintomas leves de longa duração, Distimia, com depressões de qualquer intensidade, porém, por tempo mais curto, Transtorno Depressivo.

Além dessas, existem as classificações por sintomas específicos, como: predomínio de sintomas vegetativos (insônia e inapetência) e características circadianas (pior pela manhã), Depressão Melancólica; sonolência excessiva e aumento do apetite, Depressão Atípica; sintomas de prejuízo cognitivo, ou seja, do entendimento; Pseudo Demência; presença de delírios e/ou alucinações, Depressão Psicótica, e episódios que aparecem em épocas determinadas, Depressão Sazonal e Depressão Pós-parto.

Como diagnosticar a depressão?

tipos-psicoterapia-ipan-tratamentoO diagnóstico da depressão é clínico, baseado no histórico e nos sintomas. Por outro lado, há evidências de transtorno do funcionamento e estrutura cerebral, além de alterações neuroendócrinas, inflamatórias e dos neurotransmissores (serotonina, dopamina, noradrenalina, glutamato), que equilibram o humor e as emoções. Contudo, ainda não foi identificada alteração específica para depressão.



Quais as causas da depressão?

A causa é desconhecida. O modelo explicativo atual combina predisposição genética a interação com fatores estressantes (problemas financeiros, separação, perda de um ente querido, perda de emprego, frustrações, decepções, violências etc.). Na maior parte dos casos, trata-se de uma somatória de eventos ao longo do tempo e, em alguns casos, não é possível identificar o fator desencadeante. É importante dizer que depressão não pode ser encarada como falta de caráter ou de religiosidade. Ela é uma doença que pode atingir qualquer um. Não respeita idade, sexo, religião, nada. E ninguém está imune!

Quais os tratamentos indicados?

O IPAN é especializado em tratamentos para depressão. Para reconhecer a doença, o primeiro passo é livrar-se do preconceito e buscar ajuda médica. O tratamento mais utilizado na atualidade são os antidepressivos, sozinhos ou combinados preferencialmente com psicoterapia. Isso porque as medicações equilibram as alterações fisiológicas, enquanto a psicoterapia aborda questões psicológicas. Em alguns casos, a eficácia dos antidepressivos pode ser limitada, devendo incluir estratégias de potencialização e combinações.

Quando as medicações não surtem efeito, por excesso de efeitos colaterais, por exemplo, ou quando não são recomendadas, como na gestação, pois podem afetar o embrião/feto, outros tratamentos podem ser indicados, como:

Estimulação Magnética Transcraniana repetitiva (EMTr): por meio de ondas magnéticas, modula os neurotransmissores e restabelece o funcionamento cerebral. Indicada em casos leves e moderados.

tratamento-estimulacao-magnetica


Eletroconvulsoterapia (ECT): por meio de disparos cerebrais autolimitados, equilibra os neurotransmissores e restabelece o funcionamento cerebral. Realizada em ambiente Hospitalar, é mais indicada em casos graves, refratários e com risco de suicídio.

clinica-ect-eletroconvulsoterapia-ipan-psiquiatria-depressao-esquizofrenia-tratamento

Atualmente, também realizamos tratamento com Cetamina, um anestésico com potencial antidepressivo de efeito rápido, que ainda é considerado experimental, mas que pode ser uma opção para casos que exigem ação rápida.

O mais importante é você buscar uma avaliação cuidadosa para decidir qual o tratamento mais indicado para o seu caso.

Se você está sofrendo de depressão, agende uma consulta no IPAN.
Temos o tratamento certo para você!


Quem já foi tratado no IPAN  

  • Melhor tratamento, mudou minha vida! Hoje sinto vontade de viver, de me arrumar para mim e não para os outros. Hoje me olho no espelho e me amo em primeiro lugar. Ótimos profissionais. Agradeço ao IPAN por existir e mudar minha vida.
    D. O., 31 anos

    Do lar, Santo André, 2017

  • “Devo à Estimulação Magnética Transcraniana mais do que eu jamais poderia pagar.” “Em menos de 6 meses de tratamento com EMT, eu pude me recompor após sofrer de depressão, ansiedade e tristeza por mais de 20 anos. A EMT estimula meu cérebro da melhor maneira possível – eu me sinto uma mulher mais confiante, mais forte, com melhora da autoestima”,...
    Michele Pagano, 35 anos

    Gerente, Greenwich, Conn., EUA, 2016

  • Os efeitos da estimulação magnética transcraniana (EMTr), para mim foram perceptíveis após a terceira sessão, e foram notórios, como um animal hibernado, saí para ver o dia e o vi radiante, em todas as suas formas e cores. O monstro voltara a adormecer, dando passagem a um E.P.N., em que usava como referência, a mim mesmo, sem ser acometido por...
    E.P.N., 30 anos

    Funcionário Público, São Paulo, 2016

Para nós, cada paciente é único e traz consigo suas histórias, angústias e necessidades específicas. Portanto, tenha certeza que você será muito bem amparado. Clique aqui e veja outros depoimentos de pacientes tratados no IPAN.

Agende uma consulta

Se você quer saber mais sobre o tratamento da depressão ou quer ser avaliado por um de nossos especialistas, preencha os campos ao lado e aguarde nosso contato confirmando a disponibilidade do horário escolhido. Muito obrigado.

  • Nome*
  • E-mail*
  • Telefone*
  • Dia*
  • Mês*
  • Ano*
  • Hr.*
  • Min.*