162017ago
Suicídio do vocalista do Linkin Park comprova: precisamos debater muito sobre depressão e outros transtornos

Líder de uma das maiores bandas de rock da atualidade, Chester Bennington tinha seis filhos, esposa, estava com a vida supostamente ganha e foi encontrado enforcado em sua casa, no dia 20 de julho de 2017, perto de Los Angeles. Nesse mesmo dia, um de seus melhores amigos estaria comemorando 53 anos, o também cantor Chris Cornell, líder de outra grande banda de rock, o Audioslave. Chris Cornell também era bem-sucedido, com três filhos e uma vida bastante estável, mas, dois meses antes, também se enforcou.

A fama e o dinheiro não conseguiram amenizar o sofrimento dessas pessoas públicas que enfrentavam barreiras psicológicas e emocionais que não foram expostas ao público. Quando uma pessoa comete suicídio não significa que queira aparecer ou mostrar ao mundo que é possível desafiar a vida. É só uma forma de dar fim ao seu sofrimento. Um sofrimento que, muitas vezes, fica camuflado por uma vida dos sonhos.

Outros famosos também tiveram essa iniciativa de tirar a própria vida, veja alguns exemplos:
Leila Lopes, atriz que trabalhou na Rede Globo e fez muito sucesso na novela “O Rei do Gado”. Apesar de ser linda e talentosa, foi encontrada morta em seu apartamento. Ela sofria de depressão e resolveu dar fim à vida tomando veneno de rato.
Heath Ledger, talvez muitos não o conheçam pelo nome, mas o ator, que sofria de depressão, ficou famoso por interpretar o personagem icônico ‘Coringa’ nos cinemas. Ele acabou morrendo após misturar uma grande quantidade de medicamentos que o levou a uma intoxicação forte.
Robin Williams, ator renomado, também resolveu acabar com seu sofrimento se enforcando. Muitos acreditam que a principal causa de sua morte foi a depressão, porém, sua mulher revelou que ele sofria de uma doença chamada “DCL – Demência com Corpúsculos de Lewy”, uma doença neurodegenerativa que altera o estado de ânimo, os movimentos, causa alucinações e aumento exagerado da ansiedade.

Temos ainda os que tentaram se suicidar, mas sem sucesso. Veja alguns exemplos:
Britney Spears, de acordo com uma biografia não autorizada, a cantora tentou suicidar-se duas vezes em 2006, uma delas quando perdeu a guarda dos filhos.
Drew Barrymore, tentou suicidar-se cortando os pulsos com uma faca de cozinha quando tinha apenas 14 anos.
Oprah Winfrey, ela revelou durante uma entrevista que, ao descobrir estar grávida aos 14 anos, pensou várias vezes em se matar bebendo detergente.
Demi Lovato, falou abertamente em entrevista que tentou suicídio antes mesmo dos 10 anos de idade por conta de distúrbios mentais.
Paris Jackson, filha de Michael Jackson, em 2013, foi levada ao hospital após uma tentativa de suicídio.
Ozzy Osbourne, já confessou que tentou cometer suicídio várias vezes, o mais cedo quando tinha apenas 14 anos.

A Organização Mundial da Saúde alerta que 10% da população mundial sofre com algum tipo de transtorno mental. E todos nós estamos expostos. Esses transtornos vão desde uma ansiedade leve à depressão profunda e podem nos levar a consequências extremas, como a tentativa de suicídio.

Por isso, quando se sentir angustiado, procure a ajuda de um profissional ou mesmo o aconselhamento de parentes próximos. Não guarde para você, não sofra calado. Vença os seus medos e fale sobre o suicídio.

E você que não tem transtornos mentais e pensamentos suicidas, mas pode se ver em uma situação muito próxima de pessoas que sofrem com isso, entenda que trata-se de uma doença, e que quem sofre merece respeito, carinho e, principalmente, que você vença o seu próprio preconceito.