Só quem passa por isso que sabe o que é…

Tenho 24 anos e mais do que ninguém gostaria de ajudar outras pessoas com o mesmo problema… mesmo porque, só quem passa por isso que sabe o que é…

Desde criança tinha problemas com amizades na escola, era sempre chamada de lerda, burra, e até problemática pelos próprios professores e colegas de sala. Minha vida desabou de vez quando mudei pra um colégio de alta sociedade, tinha 11 anos estava na 5ª série, não conseguia me concentrar nas aulas, só queria chorar, tinha visões e escutava vozes. Também não dormia bem a noite, sempre com uma dor infinita que me transpassava, um buraco que nada preenchia. Sem contar o que a turma do colégio fazia comigo, corriam atrás de mim dizendo que eu não podia nada na vida, berrando pelos corredores: “você é burra, nunca vai conseguir nada, lerda, feia”. Acabei reprovando na 8ª série e no 1o ano e quando mudei de colégio foi uma benção.

Comecei a tomar remédios psiquiátricos aos 12 anos, já tomei praticamente tudo e sentia muitos efeitos colaterais, dos 12 até hoje, com 24, passei somente 3 ou 4 anos sem tomar nada. Por várias vezes tentei suicídio e então tentaram me internar em uma clínica psiquiátrica, mas não deu certo.

Nesta época descobrimos a ECT, que acabou dando certo e fiquei bem por um tempo. Morei sozinha em uma apartamento por um ano e passei em 3o lugar em um concorrido vestibular, mas em funçao de problemas financeiros, não tive mais condições de me manter em apartamento e acabei indo morar com meus avós. Neste momento, tudo foi por água abaixo, fiz 2 anos de faculdade e pirei totalmente na casa deles, sou uma pessoa muito individualista, não me relaciono bem com as pessoas (tenho trabalhado isso com a terapia).

Fui internada em um hospital no interior de SP, mas comecei a ter muitas reações alérgicas aos medicamentos, além de desmaios até 5 vezes por dia. Tinha também alucinações, fiquei quase 3 meses e nada de melhora. Acabei indo para a cidade de São Paulo e no IPAN fiz um tempo de EMTr, e voltei a fazer o ECT, desta vez melhorei muito! Tanto o Dr.Marco (do EMT) quanto o Dr.Guilherme (do ECT) me passaram muita tranquilidade, profissionalismo e bom humor. Também adorei as enfermeiras da sala de recuperação!

Hoje, o único efeito colateral que sinto são lapsos de memória temporária, de qualquer forma, queria ressaltar que o ECT é apenas um ”suporte” pra você melhorar, não é um milagre da medicina, é apenas uma parte do tratamento, o restante é em terapia, decisão de mudança e determinação. Não adianta realizar o tratamento com ECT e não mudar em nada sua vida, não repensar suas atitudes, começar a trabalhar e encarar a terapia com seriedade. Eu tenho trabalhado muito com terapia, isso é DECISÃO, é se assumir. Tudo tem 2 lados, e ”nós – depressivos” temos ”o dom” de ver sempre o lado ruim das coisas, o negativo, talvez até inconscientemente, não é nada fácil mudar (Eu estou vivendo isso agora!), mas é possivel! Ninguém pode mudar ninguém, só você mesmo.

A ECT é um tratamento que tem resultados fantásticos, dá animo, força e disposição. Já não tenho mais as visões, nem ouço vozes, os desmaios estão espaçando cada dia mais, cheguei a ficar 8 dias sem desmaio e espasmos! O ECT me fez sentir segura para seguir a vida, e mudar o que tem que ser mudado.

S. G., 24 anos

fotógrafa, Mato Grosso, 2010