22015out
Depressão: a terceira principal causa de morte de pessoas em plena vida produtiva no Brasil

A depressão é um sério problema de saúde no Brasil. Dados recentes do IBGE são alarmantes. A pesquisa recente – não leva em conta casos não declarados – o problema atinge em torno de 11 milhões de brasileiros com mais de 18 anos. Nos últimos vinte anos, o suicídio cresceu 30% entre os brasileiros com idades de 15 a 29 anos – este crescimento é maior do que a média da população – tornando-se a terceira principal causa de morte de pessoas em plena vida produtiva, hoje, estima-se que 25 pessoas cometam suicídio por dia.

Diante deste quadro, se torna urgente uma intervenção socioeducativa sobre o tema.

Uma das missões da Casa da Psiquiatria é divulgar informações em linguagem acessível a todos públicos e encorajar pessoas que hoje estão sofrendo deste mal que procurem tratamento.

As novas abordagens terapêuticas que hoje já estão disponíveis podem trazer esperança para milhões de vidas, mas a grande parte do público as desconhece.

Além das medicações, psicoterapias e métodos invasivos, há outra técnicas que a população desconhece.

Existem procedimentos terapêuticos que já contam com parecer favorável do Conselho Federal de Medicina em resolução específica de 2012 e que pouquíssimos conhecem e serão mais facilmente aceitos pela população.

O tratamento com Estimulação Magnética

Estimulação Magnética Transcraniana repetitiva (EMTr) ou na língua inglesa Transcranial Magnetic Stimulation (TMS) é capaz de gerar mudanças controladas nos neurônios em regiões alvo do cérebro, de acordo com o objetivo terapêutico. Se trata de uma técnica inovadora para tratar diversas doenças neuropsiquiátricas que tem como traço comum um desbalanceamento neuronal. O objetivo do tratamento visa estimular ou inibir áreas específicas do cérebro. Esta tecnologia avançada trata depressão e esquizofrenia, além de outras patologias que se encontram em pesquisa.

Como é feito o procedimento?

A estimulação é feita por meio de pulsos magnéticos gerados por um equipamento desenvolvido com finalidade de gerar corrente elétrica na área que se pretende atingir. A técnica não é invasiva e consiste em uma série de sessões que podem ser feitas na clínica médica sem necessidade de preparos, o paciente permanece acordado, não há efeitos colaterais, apenas alguns relatam desconforto nas primeiras sessões e após a sessão ele pode voltar imediatamente a suas atividades corriqueiras.

Só o médico pode indicar este tratamento e determinar o protocolo ideal para cada perfil de paciente e o acompanhamento do médico vai garantir o sucesso da terapêutica.

Assista o vídeo de uma aplicação: