242016jun

O EXERCÍCIO INTENSIVO ESTIMULA A PRODUÇÃO DE NEUROTRANSMISSORES CRÍTICOS

Um novo estudo a partir de neuroimagens mostra por que as pessoas que se exercitam intensivamente têm melhor aptidão mental. Conduzida pela Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, a pesquisa contribui para que se desvende, aos poucos, o complexo metabolismo cerebral envolvido tanto no funcionamento saudável do cérebro quanto na ocorrência de patologias.

Saiba mais sobre tratamento de Depressão AQUI!



 
“Nosso estudo mostra que o exercício ativa o sistema metabólico que reabastece determinados neurotransmissores”, destacam os autores. O glutamato e o ácido gama-aminobutírico (GABA), envolvidos em mecanismos que regulam a saúde física e emocional, são os principais impactados pela atividade física intensa.



 
“Do ponto de vista metabólico, o exercício intensivo é a atividade mais exigente que o cérebro pode encontrar, muito mais intenso do que o cálculo ou o xadrez, mas ninguém sabe o que acontece com toda essa energia”, explicam os cientistas sobre o gasto energético cerebral na atividade física. “Aparentemente, uma das coisas que o cérebro está fazendo com ela é produzir mais neurotransmissores”, revelam.


 
As descobertas apontam para a prática de exercício físico como terapia alternativa para a depressão, doença cuja ocorrência está relacionada a níveis disfuncionais de GABA. Exercitar-se seria estratégico especialmente entre pacientes com menos de 25 anos, que sofrem mais efeitos colaterais de medicamentos que ajustam os níveis de neurotransmissores para controlar a doença.

Revista Psique, edição Abril/Maio – 124