92015mar
Estimulação transcraniana por corrente contínua – ETCC

O que é Estimulação transcraniana por corrente contínua?

A Estimulação transcraniana por corrente contínua (ETCC) (em inglês:Transcranialdirect-current stimulation — tDCS) é uma forma de neuroestimulação que utiliza corrente elétrica de baixa intensidade e de forma contínua que é emitida diretamente na área cerebral de interesse, através de pequenos eletrodos. Trata-se de uma técnica que foi utilizada no passado, e que “voltou” ao foco das pesquisas recentemente. Ela era também chamada “polarização”, pois consiste em criar um fluxo contínuo de baixa intensidade de um eletrodo a outro, polarizando os dois pontos (um negativo e outro positivo). Vem sendo estudada para o tratamento da depressão com resultados animadores.

 Como surgiu a Estimulação transcraniana por corrente contínua?

Ela já existe há mais de 100 anos. Antes mesmo do século 19 já havia uma séria de experimentos rudimentares desta técnica, que utilizavam eletricidade em animais e seres humanos. Em 1804, Giovani Aldini iniciou um estudo em que afirmava demonstrar que a técnica de estimulação por corrente contínua poderia melhorar o humor de pacientes melancólicos. Luigi Galvani e Alessandro Volta são exemplos de dois pesquisadores que utilizaram a tecnologia de ETCC em explorações da fonte de eletricidade de células animais. Foi devido a estes estudos iniciais que a técnica foi trazida para a cena médica.

 Qual é a indicação da Estimulação transcraniana por corrente contínua?

O procedimento foi desenvolvido inicialmente para ajudar pacientes com lesões cerebrais, como derrames. Testes em adultos saudáveis demonstraram que a técnica pode aumentar a performance cognitiva em diversas tarefas, dependendo da área do cérebro que é estimulada. A ETCC tem sido utilizada para aumentar as habilidades linguísticas e matemáticas, a atenção, resolução de problemas, memória, e coordenação. Alguns pesquisadores estão investigando possíveis aplicações, tais como a melhoria de foco e concentração.

A ETCC pode tem se mostrado se uma técnica bastante promissora.Têm sido mostrados efeitos terapêuticos em ensaios clínicos envolvendo a doença de Parkinson, zumbido, fibromialgia e déficits motores pós-AVC. Em um estudo recente, pacientes com dificuldades de fala devido a AVC exibiram grande melhoria numa terapia baseada em ETCC, com a melhora se mantendo no reteste, uma semana depois.

A maioria dos estudos psicológicos que envolvem ETCC se focam na expansão do conhecimento sobre uma determinada região do cérebro ou de um determinado fenômeno psicológico. Por exemplo, um tema bastante estudado é a capacidade e especificidade da memória de trabalho. Muitos destes estudos estimulam uma região específica do cérebro e observam os efeitos em algum tipo de tarefa cognitiva.

A ETCC também tem se mostrado eficaz para o tratamento de vários transtornos psiquiátricos como depressão, transtorno de ansiedade e esquizofrenia.

Quais são os efeitos colaterais da Estimulação por corrente contínua? 

A ETCC tem a vantagem de ser bem tolerada pelos pacientes, com poucos efeitos colaterais e potencialmente eficaz.

Como funciona a Estimulação transcraniana por corrente contínua?

Houve um breve aumento de interesse sobre ETCC na década de 1960, quando estudos do pesquisador Albert demonstravam que a estimulação poderia afetar o funcionamento do cérebro, através de alteração da excitabilidade cortical. Ele também descobriu que a estimulação positiva e negativa possuíam diferentes efeitos na excitabilidade cortical. Embora as descobertas tenham sido relevantes no campo da terapia, a pesquisa na área de estimulação teve uma nova queda quando a terapia com drogas se mostrou um método mais eficaz e simples no tratamento dos pacientes. A técnica voltou a receber atenção devido a novos procedimentos de estimulação e imagem cerebral, como a Estimulação magnética transcraniana repetitiva (EMTr) e a Ressonância magnética. A estimulação por corrente contínua também está começando a ser usada frequentemente por ser considerada segura para uso humano.

Curso do tratamento

No momento atual, o tratamento consiste em sessões diárias que duram de 20 minutos cada, por um total de 2 a 4 semanas, excetuando-se fins de semana. O número total de sessões é decidido de acordo com a resposta clínica.

Não há regra geral com relação às medicações concomitantes. Em geral, inibidores do sistema nervoso central, como benzodiazepínicos, vão provocar um aumento do limiar motor, com necessidade de estimulação mais intensa. Medicações antidepressivas podem ser utilizadas conforme a necessidade e a indicação, havendo relatos de um sinergismo entre ambos.

A ETCC tem aprovação da ANVISA?

O aparelho de ETCC recebeu aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) no início do ano de 2014.

Perspectivas futuras 

A Depressão é uma síndrome complexa com uma fisiopatologia ainda desconhecida. Os tratamentos existentes, incluindo medicações, eletroconvulsoterapia, a estimulação magnética transcraniana, a estimulação elétrica transcraniana, e agora a estimulação transcraniana por corrente contínua têm a finalidade principal de aliviar o sofrimento dos pacientes, mas também abrem caminho para uma maior compreensão do cérebro, tanto normal como patológico.

O futuro é bastante promissor. O aperfeiçoamento de técnicas de convulsoterapia (e.g., magnetoconvulsoterapia, estimulação elétrica focal) e da própria estimulação transcraniana por corrente contínua está em curso, bem como o estudo de novas técnicas experimentais, como a estimulação do nervo vago e a estimulação cerebral profunda. Juntas, estas técnicas estão se somando àquelas disponíveis e abrindo o horizonte de médicos e pacientes para um futuro mais saudável.

Fonte: Wikipedia

http://pt.m.wikipedia.org/wiki/Estimulação_transcraniana_por_corrente_cont%C3%ADnua