fatores que favorecem a depressao

Dados da OMS (Organização Mundial de Saúde) apontam que o Brasil possui 13 milhões de pessoas com depressão, um número assustador. No mundo inteiro são cerca de 340 milhões de pessoas sofrendo com a doença e um número aproximado de 850 mil suicídios por ano provocados por ela. Os custos com transtornos mentais podem chegar a até 4% do PIB (Produto Interno Bruto). Este quadro chama muito a atenção, por isso, cada vez mais, a depressão deve ser estudada.

A depressão tem causa desconhecida, mas alguns fatores parecem estar envolvidos, como a predisposição genética e a interação com fatores estressantes (problemas financeiros, separação, perda de um ente querido, perda de emprego, frustrações, decepções, eventos traumáticos, violências, etc.). Na maior parte dos casos, trata-se de uma somatória de eventos ao longo do tempo e, em alguns casos, não é possível identificar o fator desencadeante. É importante salientar que depressão não pode ser encarada como falta de caráter ou de religiosidade. Ela é uma doença que pode atingir qualquer um e não respeita idade, sexo, religião.

Recentemente dois estudos chamaram a atenção. Em um deles, a desigualdade de renda pode aumentar a ocorrência de problemas emocionais, como a depressão, principalmente nas áreas urbanas, onde as diferenças econômicas e sociais são mais acentuadas. A renda está diretamente associada ao bem-estar físico e emocional. A pesquisa foi realizada pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). Este é um dado bastante relevante no Brasil, onde convivemos com uma desigualdade de renda latente.

Outra pesquisa aponta que parceiros de pacientes diagnosticadas com câncer de mama são mais propensos a desenvolver problemas como depressão e doença bipolar. O estudo foi comandado por Christoffer Johansen, do Instituto de Epidemiologia do Câncer, em Copenhagen – Dinamarca.Os cientistas analisaram dados de mais de 1 milhão de homens com 30 anos ou mais, que não tinham histórico de tratamento hospitalar por transtorno emocional e viviam com a mesma mulher por, pelo menos, cinco anos.

Os dados ainda são preliminares e mais estudos devem acontecer para confirmar essa relação.

A depressão é uma doença que afeta a vida da pessoa como um todo, o mais importante é sempre procurar ajuda médica especializada o mais rápido possível.

Dra. Marina Odebrecht Rosa, CRM: 107447 – SP | RQE: 47901. Dr. Moacyr Alexandro Rosa, diretor técnico, CRM: 69816 – SP | RQE: 47876. IPAN – Instituto de Psiquiatria Avançada e Neuromodulação.

Referências: